Quando é que nos afastamos de nós mesmos?

Deixa-me adormecer e não perguntes nada.
O mundo foi alheio e a vida foi comprida
nos seus desenganos de coisa perdida.

Alberto de Lacerda

 

 

Fiz uma pausa em meus dias no final de 2014… ano, cuja soma dos números, curiosamente é sete, esse número tão comum a minha realidade! Talvez por isso, a pausa tenha sido tão necessária. Dois mil e catorze foi um ano de muitos experimentos… tanto ao meu redor, quanto dentro de mim… não é fácil enfrentar-se, tampouco ao outro.  É cansativo, desgastante, mas totalmente necessário…é assim que se dá o tão desejado aprendizado.

A pausa foi até a semana anterior… quando voltei à realidade e, também à vida, precisamente no dia 26 de janeiro, data que se iguala em soma ao ano que temos para nós: 2015. Essas singularidades costumam nortear os meus movimentos. Os números, desde o meu nascimento, brincam comigo, e eu costumo me divertir com esses acontecimentos.

Nada é por acaso, sabemos…. as coisas (todas) acontecem, quase sempre, motivadas por nossas ações. O acaso é uma desculpa comumente usada por nós… que temos a estranha mania de não assumir os nossos atos. Agimos no impulso, motivados que somos, pelo universo ou qualquer outra justificativa banal, inventada na última hora, no último segundo… porque gostamos de dizer em alto e bom tom “tudo acontece independente à nossa vontade”.

Como não faço parte da turbamulta, evito frases prontas e desculpas toscas… preferindo meditar sobre meus passos, movimentos, resultados ou a falta deles. E foi justamente o que me fez passar os últimos dias em silêncio agudo, meditando junto ao branco do teto de meu quarto… observei a mim mesma e todas as coisas que resultaram num grande hecatombe. Fui tragada por esse vórtice e me vi diante da inevitável certeza: o acaso – definitivamente – não me serve.

Percebi, entre muitas coisas, que fiquei pelo caminho um sem fim de vezes. Não conclui certos movimentos, não investi tanto quanto podia em certos passos, abandonei certezas, abracei dúvidas e, no fim, fiquei com o pouco ou nada em mãos. E que diferença faz quando temos apenas o ponto de partida e também o meio do caminho… que nos revelará como sendo uma estrada longa, com um horizonte impossível de se alcançar? Na boca ficou um sabor amargo… que me questionar até mesmo as minhas preferências.

Eu sempre gostei de pautar minha existência de maneira a reconhecer os começos, os meios e principalmente os fins… porque a vida, pra mim, é isso e tudo deve, obrigatoriamente, me levar a  uma conclusão e a um obvio resultado… uma coisa depende – inevitavelmente – da outra… mas, ao rever os meus passos, ficou claro que fui – sempre – em frente, mas sem me levar comigo. Abandonei-me numa dessas esquinas que eu costumo visitar durante minhas caminhadas… e agora, sem fim, me vejo obrigada a dar meia volta para me encontrar, não por acaso, começo a percorrer o caminho que me levará ao meu encontro nesse dia primeiro de fevereiro. Dia da Deusa Brigith a quem acendo velas e incensos desde os meus sete anos, quando sua figura foi introduzida em minha realidade.

Quando é que nos afastamos de nós mesmos?

2 pensamentos sobre “Quando é que nos afastamos de nós mesmos?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s